domingo, 5 de setembro de 2010

Almoço de Domingo


Hoje foi dia de almoço na casa alheia. Eram exatamente 11 horas e 31 minutos quando fui acordado com o toque do celular, era Maurileni me convidando pra almoçar com Tatiana e ela. Um convite bem fora do normal, eu faria o almoço... "Almoço de domingo, um ritual para muitos." Decidimos então fazer o nosso ritual.
-Tatiana o que eu faço para o almoço?
-Sei não... Inventa!
Ao som de Silvia Machete, tulipa Ruiz e conversas diversas eu cozinhava. Fiz um pudim que ficou igualzinho com os que a minha mãe fazia, me deu uma saudade dela, lembrei da alegria voraz que ela tinha ao comer pudim. Nesses momentos eu sou mais inteiro, esqueço o rosto que tenho, eu tenho um norte. A utilidade de estar vivo, reside em saber respeitar o tempo do outro, o que  não é fácil, mas é a tentativa sempre é valida.  
Foi tudo tão mágico, me dói muito saber que o domingo esta acabando, há muito tempo não tenho um dia tão prazeroso...


"Cheguei em casa
Toda descabelada
Completamente arrependida
Do que aconteceu
Tomei cachaça
E fumei como
Maria fumaça
Completamente arrependida
Do que aconteceu
Não teve a menor graça
Tudo isso eu sei que passa
Mas não passou..."                               Silvia Machete

3 comentários:

Mente Hiperativa disse...

Pra mim o domingo é o dia mais família da semana. É quase obrigatório reunir-mos em torno de uma mesa farta, depois sentarmos no terraço pra conversar até o anoitecer. Gosto muito disso. Porém sinto falta da minha vó, peça chave que guiou tais encontros por tanto tempo e que hoje não está mais aqui. Fomos largados, entregue à própria sorte, não por vovó, mas pela vida. E agente aprendeu a se organizar nos domingos. Não é a mesma coisa nem nunca será, mas a essência procuramos mantê-la.

Maurileni Moreira disse...

dadilma dos barai... cê não sabe o quanto foi importante a sua energia nesse domingo, estou muito feliz e no nosso tempo de mulheres as coisas vão se organizando... amei tudo, comi o último pedaço hoje de pudim, dormi o dia inteiro, deva ter sido o doce, não fumei, não estudei e agora vim acordar aqui na net... outras expectativas me surgem na cabeça,conto contigo. abraços fraternos, M.

fauller disse...

engraçado também escrevi sobre a minha mãe e sobre saudade, saudade boa!
Q conexão!