quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Um pouco de mim no outro




Não tenho tempo para mais nada...
Ser feliz me consome muito.
Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania:
depende de quando e como você me vê passar.
Já que se há de escrever, que, pelo menos, não se
esmaguem -com palavras- as entrelinhas.
Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso.
Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.
Todos os dias, quando acordo, vou correndo
tirar a poeira da palavra “amor”.
Pois, estou infinitamente maior do que eu mesma...
então, não me alcanço.
Ouve-me. Ouve o meu silêncio.
O que falo nunca é o que falo e, sim, outra coisa.
Capta a “outra coisa” porque eu mesma não posso.
Você pode, até, me empurrar de um penhasco...
E daí? Eu adoro voar!
E ninguém é eu. E ninguém é você.
Esta é a solidão.
Sou composta por urgências:
minhas alegrias são intensas,
minhas tristezas, absolutas.
Me entupo de ausências,
me esvazio de excessos.
Eu não caibo no estreito...
Eu só vivo nos extremos...                             Clarice Lispector

3 comentários:

Mente Hiperativa disse...

Essa mulher é perfeita!

Nos meus pés disse...

saudades de vc na minha vida...
=/

Sil.. disse...

Lispector? É a DIVA!!

Tudo perfeito aqui!!